sábado, 21 de novembro de 2009

Escapou de branco é preto

Ontem, 20 de novembro. Dia da consciência negra. Dia do mestre Zumbi. Dia da maioria que é tratada como minoria. Incrivelmente não é feriado nacional. Acho que no Brasil tem feriado demais, mas se tem pra tudo quanto é coisa porque logo nesse superimportante não vai ter?
Aqui nesse post poderiamos levantar várias questões alusivas a data. E quanto a cota pras universidades? É justo que uma parcela da população que se autoidentifica como negra receber vantagens ou como os defensores da medida dizem "compensações"?
Bem, polêmicas a parte. Vamos ao que interessa.
Difícil mesmo é hoje colocar essa coisa de raça negra pela guela dos branquelos, não?! Certo. Existe apenas uma raça: a humana. Mas levemos em conta que a identidade do que chamamos "negro" deve ser mesmo tratada a parte e com um olhar diferente. Não de um preconceito mas sim de um pós-conceito. É preciso entender a arte negra. A resistência do samba, do jongo. A impetuosidade da capoeira. Os versos marcados de Solano Trindade. É preciso entender que a alma do brasileiro é negra. Que o nosso sangue é negro e principalmente que o nosso coração é preto. Preto de melanina. Preto de paixão. Preto de suor e gingado. Na escala de cor nenhum brasileiro é branco. E...

"Escapou de branco é preto." cantora Alcione, em entrevista ao CQC.


6 comentarios:

Gabi disse...

Ótimo Blog!! Adorei seus artigos!!!Parabéns João!!! Jornalista você já é!!!

Bianca Sampaio disse...

O título foi muito bem escolhido, encaixou perfeitamente. Te parabenizo por abordar esse assunto que quase imperceptivelmente deixamos de lado, ou fingimos que entendemos. Deveria mesmo ser feriado nacional, porque faz parte da história de cada canto do Brasil. Afinal, eles estiverão e estão em todas as partes. E ao dizer "Eles", refiro-me á nossa gente. Não acho que os negros tenham coração de branco e os brancos tenham coração de negro. Isso é uma forma delicada de tentar dar rédeas ao assunto. O fato é que todos temos nossos corações vermelhos que palpitam da mesma maneira e se abrigam no mesmo lugar. E aquele que se opor a isso, estará corroendo seu coração por enchê-lo com besteiras. Salve a única raça: a humana!

Beijão João, como sempre arrasando! ;)

Bianca Sampaio disse...

* estiveram

Marina disse...

MV BIL È O CARA!!!!!!!!!!!

ABRAÇOSSSSSSSSSSS


http://www.publicidadesportiva.blogspot.com/

JaCoNa disse...

Nossa...que lindo seu texto! Como negra, brasileira, sinto um prazer enorme em le coisas assim1
Achoq ue as pessoas euqcem (ou fingem que esquecem) que somos um país pluralizado e que os negros contribuem para isso!
Mtas pessoas esqueceram, que mtus braços,vidas, corpos e sangue negros foram sacificados p/ que nós estivéssemos aqui hj! Tanto na cultura, qnt no que chamamos de identidade nacional.... na música, culinária, lingua, na pele... enfim! Somos tds negros, brancos, amarelos....somos tds GETE!!
Mas reconhecer o sofrimento de nosso antepassados e prestar-lhe homenaegm e, mais que isso, tentar fazer um futuro diferente onde a cor da pele não seja mais um rotulo e sim um detalhe, é uma boa pedida ;)

JaCoNa disse...

*GENTE