terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Canção pra degustar

Casca de coco queimado
Eu sei que ela é
Beijo no rosto roubado
Sorriso ensaiado
Acerola do pé.

Foras tão dentro do olhar
Laranja azeda
Mas sinto o açúcar queimado da polpa
Docinha ela é.

Foto em livro e em jornal
Não vão encontrar
Fica irritada e se esconde entre as folhas
Única fruta do pé

Gestos breves e oblíquos
Jabuticabas brilhantes
Tudo escrito num flash de segundos.
Vermelha e preta ela é.

Casca de coco queimado
Eu sei que ela é
Beijo no rosto roubado
Sorriso ensaiado
Manteiga de Carité


9 comentarios:

Usui de Itamaracá disse...

hauhaauauah excelente poema, consegui me conectar completamente com ele!
Lembra um frescor de verão, das pequenas coisas tão boas que a gente só "degusta" nas férias, na casa daquela tia maluca do interior, perto de um rio ou debaixo de uma mangueira, com primos e irmãos.
E mesmo assim, fora do "habitat natural", pensa o tempo inteiro naquela pessoa... X)
(Viajei... rsrs)
Muito bom!

Iasmin Marequito disse...

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH! que LIINDO ! *_______* e que honra. eu AMEI! Muito obrigada pelo poema,ficou lindo :D os meus foras delicados e a minha doçura estarão sempre aqui quando preciso ;) ah saudade de você humanas.beijãão :)

João disse...

Usui, é esse mesmo o objetivo de qualquer poema: proporcionar uma viajem. Obrigado! ^^)

Iasmin, minha querida, fico muito feliz que tenha gostadoo! Foi feito com todo amor e carinho. tbm too com mts sdds! *-*

Julia disse...

João, como já disse, eu amei o poema. E lembra mesmo a Iasmin, com sua doçura e foras ( mais foras que doçura aheuah brincadeira) Saudades João, beijos !

Caroline Ribeiro disse...

aah, ficou muito... Iasmin! lindo Magé!

Julia disse...

Bem,eu acho q vc tem capacidade pra fazer um conto muito melhor que esse poema, hauahuau. beijos

Carta e Verso disse...

Tô aqui de curioso. Mas na minha opinião, essa 'canção' deveria se tornar uma canção mesmo. Vale ganhar melodia. Vale virar música e ser cantada.

João disse...

Meu caro, vc matou a charada!
Ela é cantada sim.
Eu escrevi já pensando na melodia. Tem mesmo uma 'sonoridade' intrísseca a poesia.

Iasmin Marequito disse...

Lá no meu blog disseram o mesmo :o ...legal, já tenho um poema meu e agora aguardo o arranjo para virar música então.quem se habilita? ehaiuaehiuehuehha